Gilberto Gil

Cantor e compositor. Depois de muitos discos lançados (12 de ouro e sete prêmios Grammy) e uma contribuição imensurável à cultura nacional, foi convidado pelo presidente Lula a assumir o Ministério da Cultura, cargo que ocupou entre 2003 e 2008. Sua gestão foi marcada pelo desenvolvimento do conceito de Cultura Digital, pela política dos Pontos de Cultura e pela luta em prol da flexibilização dos direitos autorais. Como músico é responsável por álbuns importantes na MPB como “Tropicália” (1968), “Expresso 2222″ (1972), “Refazenda” (1975), “Os Doces Bárbaros” (1976, com Caetano Veloso, Gal Costa e Maria Bethânia) e “Banda Larga Cordel” (2008), entre outros. Este ano, comemora 70 anos de vida e 50 anos de carreira.

Neste Seminário fará a conferência de encerramento “Novos sujeitos e arranjos para a produção e circulação de bens culturais”, no dia 28 de setembro, às 16h, na Sala Ilha de Maré, no Hotel Sol Victoria Marina.

Anúncios